MPB

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Operação "BRAÇOS ABERTOS"...


Na Cracolândia, dependentes vão para hotéis



Só um louco não será capaz de ver a gigantesca diferença entre a gestão de Haddad e de Serra-Kassab. Enquanto esta dupla e depois Alckmin-Kassab perseguiam a porrada os dependentes de crack, Haddad busca reintegrá-los na sociedade.
Nesses últimos dias cerca de 100 dependentes dormiram em hotéis próximos ao local e vão trabalhar na limpeza de praças e ruas da cidade.
O último entrevistado da reportagem pergunta pra repórter: Quem é responsável por isso aqui? A repórter responde: O prefeito. Ele: Quero dar os parabéns pra ele, porque sempre fomos tratados como lixo. Quero dar os parabéns pra ele porque ninguém faz o que ele fez.
Não é à toa que o Editorial do Estadão Serrista está botando fogo pelas ventas .

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Pretos e pobres podem ser impedidos de frequentar Shopping, até na Pedra que dorme(itaquera) no extremo leste de São Paulo.

Segundo relatos, lojistas, locatários do espaço publico, nem tão pobres e nem tão brancos falavam em "selecionar"?  Alguns seguranças tão pobres , tão brancos e  alguns pretos diziam "Conheço essa raça de longe" Alguns Pms tão pobres, tão brancos, quase pretos diziam "Sai daqui, esse não é o teu espaço". E agora José?

Casé

Vídeo mostra PMs agredindo jovens em 'rolezinho' dentro do shopping Itaquera


As imagens mostram um grupo de pessoas descendo uma das escadas rolantes do centro comercial quando um policial militar da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) atinge as costas de um deles com um cassetete. Na sequência, outro PM também desfere golpes contra o grupo.
ANA KREPP
DE SÃO PAULOUm vídeo feito pela Folha na noite deste sábado (11) mostra policiais militares usando cassetetes contra jovens durante um encontro de jovens conhecido como "rolezinho" no shopping Itaquera, na zona leste de São Paulo.

Ao descer da escada rolante, um dos jovens ainda é agredido com um soco por um homem não identificado. Os policiais que estavam ao lado dele e presenciaram a agressão não reprimiram o ato.
Uma adolescente de 14 anos disse que foi com três amigas ao shopping para participar do "rolezinho" e disse que elas queriam apenas se divertir. "Tive medo. Já fui em outros rolês, mas desta vez a PM estava batendo até em menina", afirmou. A estudante, porém, afirmou que é a favor da presença policial. "Prefiro que tenha polícia, senão seria incontrolável."
Segundo a Polícia Militar, cerca de mil pessoas participaram do encontro marcado por meio de redes sociais, enquanto o shopping estima que 3.000 jovens estavam no encontro. Uma funcionária de um restaurante do local desmaiou e foi retirada de maca. Não há informações sobre o estado de saúde dela.
Foram presos dois jovens maiores de idade (um sob suspeita de roubo e o outro por furto) e um adolescente foi apreendido sob suspeita de roubo. A PM informou que eles participaram de depredações a lojas do terminal de ônibus Itaquera.
A Polícia Militar informou que a situação era "crítica na estação Itaquera" e que "todo o policiamento está apoiado" para atender a ocorrência. Assim, só terá mais informações "com um pouco mais de tempo." A polícia disse ainda que, durante o confronto no terminal, "diversas lojas foram danificadas."
Em nota, a corporação informou que "no terminal de ônibus, devido ao tumulto, fez-se necessário o emprego de técnicas de controle de distúrbios com uso de munição elastômera (conhecida vulgarmente como "bala de borracha") e de granadas de efeito moral."
Já há um novo encontro marcado para a próxima semana no mesmo local. Ao menos 600 pessoas já foram convidadas para se encontrar no shopping Itaquera no sábado (18), às 16h30.
Bruno Poletti/Folhapress
Policial militar usa cassetete para intimidar jovem durante "rolezinho" no shopping Itaquera, na zona leste de SP
Policial militar usa cassetete para intimidar jovem durante "rolezinho" no shopping Itaquera, na zona leste de SP