MPB

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Ataques do PSDB contra PT chegam também via fone.

:
Campanha de José Serra (PSDB) promeveu ligações para desqualificar e mentir sobre as propostas do adversário Fernando Haddad (PT); ligações foram dirigidas especialmente para os bairros da periferia, como Penha, Itaquera e Cidade A.E. Carvalho, na Zona Leste da capital paulista

26 de Outubro de 2012 às 22:03

Mais uma armação dos Tucanos...É desespero...é desespero...é desespero...

Empresa contratada por Serra criou site falso de Haddad

26 de outubro de 2012 18h44 atualizado às 19h20

É não colou.
 
 
A campanha do candidato petista à prefeitura de São Paulo afirmou nesta sexta-feira que o responsável pela criação de um falso blog com propostas de Fernando Haddad foi contratado para "serviços de criação e inclusão de páginas na internet" para a campanha do tucano José Serra. Em nota, a coligação Para Mudar e Renovar São Paulo afirmou ter recebido o IP utilizado para criar o site "Propostas Haddad 13" da operadora GVT.
Consulte os candidatos a prefeito em todo o País
Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais
Segundo o comunicado, o IP pertence a Huyana Batista Tejo, responsável pela empresa Soluções Originais em Desenvolvimento e Arte Ltda (Soda Virtual), que já recebeu R$ 531 mil do comitê financeiro para prefeito do PSDB em São Paulo. "A mesma empresa registrou o site SerraJá, punido por propaganda antecipada, e o jogo de Facebook 'Missão Impossível', já fora do ar e também sob apuração da Justiça Eleitoral", diz o comunicado.
A Justiça Eleitoral de São Paulo mandou que o Google retirasse o blog do ar em 18 de outubro. De acordo com a decisão liminar do juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Henrique Harris Júnior, que acolheu ação da campanha de Haddad, há no site referências negativas ao candidato, por meio de propostas de governo que são atribuídas a ele.
O Terra entrou em contato com a empresa, mas não obteve retorno. Por meio de sua assessoria, a campanha de José Serra afirmou não ter relação com o site falso.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Globo é acusada de crime eleitoral por edição do JN.

 


:

Movimento dos Sem-Mídia, presidido por Eduardo Guimarães, protocola ação contra a Rede Globo em razão dos 18 minutos dedicados ao especial sobre o mensalão, após o horário eleitoral gratuito; emissora comandada por Ali Kamel (dir.), que nunca se recuperou da edição do debate entre Lula e Collor em 1989, é acusada de partidarismo.

247 – A edição de ontem do Jornal Nacional, que dedicou 18 minutos a um especial sobre o mensalão, logo após o horário eleitoral gratuito, pode ter infringido a Lei Geral das Eleições. Comandada por Eduardo Guimarães, a ONG Movimento dos Sem-Mídia, decidiu entrar com representação contra a Globo junto à Procuradoria Geral Eleitoral e ao Ministério das Comunicações, acusando a emissora da família Marinho, comandada pelo jornalista Ali Kamel, de agir de forma partidária, assim como ocorreu em 1989, na edição do debate entre Lula e Fernando Collor. Leia abaixo:

ONG representará contra Jornal Nacional na PGE e no Minicom
Até a insuspeita Folha de São Paulo notou a cobertura desproporcional, ilegal e até criminosa que o Jornal Nacional fez da sessão de terça-feira (23.10) do julgamento do mensalão. Segundo a matéria em tela, o telejornal gastou 18 dos 32 minutos de sua edição de ontem com esse assunto. Abaixo, o texto da Folha.
—–
FOLHA DE SÃO PAULO
24 de outubro de 2012
‘JN’ dedica quase 20 minutos a balanço do julgamento
DE SÃO PAULO
O “Jornal Nacional” da TV Globo, programa jornalístico mais assistido da televisão brasileira, dedicou ontem 18 dos 32 minutos de sua edição a um balanço do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal.
O telejornal exibiu oito reportagens sobre o tema, contemplando desde o que chamou de “frases memoráveis” proferidas no plenário do STF às rusgas entre os ministros Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandovsky, respectivamente relator e revisor do processo na corte.
O segmento mais “quente” do telejornal, dedicado às notícias do dia (debate do tamanho das penas e a decisão de absolver réus de acusações em que houve empate no colegiado) consumiu 3min12s.
O restante foi ocupado pelo resumo das 40 sessões de julgamento.
—–
Há, ainda, um agravante. O assunto foi ao ar no JN imediatamente após o fim do horário eleitoral, que, em São Paulo, foi encerrado com o programa de Fernando Haddad. E tem sido assim desde que começou o segundo turno – o noticiário do mensalão é apresentado pelo telejornal sempre “colado” ao fim do horário eleitoral.
O objetivo de interferir no pleito do próximo domingo em prejuízo do Partido dos Trabalhadores e dos outros partidos aliados que figuram na Ação Penal 470, vem sendo escancarado. Ontem, porém, essa prática ilegal chegou ao ápice.
A ilegalidade é absolutamente clara. Para comprovar, basta a simples leitura da Lei 9.504/97, a chamada Lei Geral das Eleições, que, em seu artigo 45, caput, reza que:
Caput – A partir de 1o de julho, ano da eleição, é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário, conforme incisos:
III – Veicular propaganda política, ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus orgãos ou representantes;
IV – Dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação;
V – É vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário, veicular ou divulgar filmes, novelas, minisséries ou qualquer outro programa com alusão ou crítica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente (…)
Apesar de a Globo poder alegar que estava apenas reproduzindo um fato do Poder Judiciário, a intenção de usar as reiteradas menções dos ministros do Supremo Tribunal Federal ao Partido dos Trabalhadores é escancarada ao ponto de ter virado notícia de um jornal absolutamente insuspeito de ser partidário desse partido.
Conforme reza a lei, é vedada prática da qual o JN abusou, ou seja, fazer “Alusão ou crítica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente”. Ora, de dissimulado não houve nada. O PT foi citado reiteradamente pela edição do JN de forma insistente e por espaço de tempo jamais visto em uma só reportagem.
A Lei Eleitoral recebe interpretação pela Justiça Eleitoral, ou seja, ela julga exatamente as nuances das propagandas, dos programas em veículos eletrônicos e até mesmo na imprensa escrita e na internet.
O uso de uma concessão pública de televisão com fins político-eleitorais também viola a Lei das Concessões, cujo guardião é o Ministério das Comunicações.
Diante desses fatos, comunico que a ONG Movimento dos Sem Mídia, da qual este blogueiro é presidente, apresentará, nos próximos dias, representações à Procuradoria Geral Eleitoral e ao Ministério das Comunicações contra a TV Globo por violação da Lei Eleitoral, com tentativa de influir em eleições de todo país.
Detalhe: será pedido ao Minicom a cassação da concessão da Rede Globo por cometer crime eleitoral
Por certo não haverá tempo suficiente de fazer a representação ser apreciada por essas instâncias antes do pleito, mas isso não elidirá a denunciação desse claro abuso de poder econômico com vistas influir no processo eleitoral. Peço, portanto, o apoio de tantos quantos entenderem que tal crime não pode ficar impune.

Datafolha: Haddad aparece 15 pontos à frente de Serra.

24 de outubro de 2012 19h39 atualizado às 20h10

 
O candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad lidera com 15 pontos percentuais de vantagem sobre José Serra (PSDB). O petista aparece com 49% das intenções de voto, contra 34% do tucano.
Consulte os candidatos a prefeito em todo o País
Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais
Considerando os votos válidos, Haddad alcança 60%, conta 40% de Serra. A pesquisa atual reforça a tendência apresentada no levantamento anterior quando o petista aparecia com os mesmo 49% enquanto o tucano contava com 32% da preferência do eleitorado local. A pesquisa ainda revelou o percentual de rejeição dos candidatos: 52% dos entrevistados declararam que não votam em Serra, enquanto 36% rejeitam Haddad.
A pesquisa, contratada pelo jornal Folha de S. Paulo em parceria com a TV Globo, está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo com o código SP-01910/212. Para o levantamento foram entrevistadas 2.084 pessoas nos dias 23 e 24 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

GLOBO REPÓRTER ...BALA DE PRATA contra HADDAD...


terça-feira, 23 de outubro de 2012

A bala de prata contra Haddad: para reverter situação de Serra na eleição deste domingo, Rede Globo atacará com um "Globo Repórter" sobre o "mensalão"


por Paulo Jonas de Lima Piva

Todo o espetáculo e todo o palanque político do STJ em torno do "mensalão" que assistimos nesta semana do segundo turno das eleições não foram à toa. A informação é de que a Rede Globo, sócia do projeto político e econômico do PSDB, exibirá um "Globo Repórter" nesta sexta-feira, dois dias antes da eleição, sobre o julgamento do "mensalão". Evidentemente, ela aproveitará criminosamente cada uma das imagens dos argumentos e dos discursos veementes dos ministros, contra o PT e, por conseguinte, contra a candidatura de Haddad. Não faltarão, é claro, informações distorcidas, tendenciosas e, sobretudo, cenas manipuladas, como as dos ministros do Supremo linchando o PT, Dirceu, Genoino e o governo Lula. Será a grande contribuição das organizações Globo à candidatura de José Serra, a bala de prata destas eleições contra a candidatura de Haddad, o qual não terá mais chances de se defender na grande mídia, pois não teremos mais, até lá, o programa eleitoral. Se isso mesmo ocorrer, sentiremos na pele mais uma vez o estrago que uma grande mídia concentrada e oligopolizada é capaz de fazer à democracia.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Quem de fato é o pai dos genéricos?

publicado em 18 de abril de 2010 às 19:43

do Viomundo antigo

Genéricos: Jamil Haddad denuncia Serra e PSDB

Atualizado em 16 de junho de 2009 — Publicado em 14 de junho de 2009
por Conceição Lemes
Um vídeo sobre saúde do PSBD, veiculado em 2004 e ainda disponível para exibição no site do partido, afirma: não faz muito tempo que só existiam no Brasil remédios de marca, muitos caros, que não eram para todo mundo. Aí, um partido feito por gente séria e responsável decidiu mudar isso e criou os genéricos. Junto com os remédios mais baratos, criou também…
Também em 2004, num vídeo de 30 segundos, José Serra, então presidente nacional do partido, declara: o PSDB implantou os genéricos.
Desde a última segunda-feira, dia 9, inserções de propaganda do PSDB, que faz 25 anos, estão no ar. Na que aparece o governador José Serra é dito que os genéricos completam 10 anos. Ela se refere evidentemente à época em que Serra esteve à frente do Ministério da Saúde.
Vários comentaristas que postaram na reportagem Aids: Serra assume como dele programa criado por Lair e Jatene tinham certeza ou, no mínimo, desconfiavam de que a propaganda dos genéricos não correspondia à verdade dos fatos.
“Serra, pai dos genéricos? PSDB, criador dos genéricos? Assumir como deles é um embuste! Se fizerem isso de novo, eu denuncio”, prometeu há menos de um mês a esta repórter o verdadeiro pai dos genéricos, o médico Jamil Haddad, 83 anos, ex-deputado federal, ex-prefeito do Rio Janeiro e ministro da Saúde de outubro de 1992 a agosto de1993, no governo Itamar Franco. “Em política, a traição é uma norma. Só não se sabe a data.”
Serra e o PSDB reincidiram. Jamil, presidente de honra do Partido Socialista Brasileiro (PSB), cumpriu a palavra. Em reportagem publicada nesse sábado, dia 13, no blog Os amigos do Presidente Lula, ele detalha a história.
“Já tentei denunciar isso várias vezes na grande imprensa, mas ela faz vista grossa”, revela a esta repórter. “É só pegar o decreto 793 de 5 abril de 1993 para descobrir a verdade. Eu baixei-o junto com o presidente Itamar, criando os medicamentos genéricos no Brasil”.
O decreto 793 de 5 de abril de 1993, do Ministério da Saúde, assinado por Jamil Haddad, está aqui. A indústria farmacêutica ignorava o governo, fazia o que queria, aumentava os remédios de marca ao bel prazer. A situação tornou-se insuportável. A produção dos genéricos era o caminho. Desde 1981, aliás, a política da OMS era estimular a produção dos genéricos como alternativa para assegurar a disponibilidade de medicamentos essenciais a preços mais baixos à população. Tanto que, em 1993, já eram realidade há muito tempo em vários países, como Estados Unidos, França e Itália.
“Em 1991, o médico e deputado Eduardo Jorge [na época, no PT-SP] havia apresentado à Câmara Federal projeto propondo a fabricação dos genéricos no País”, detalha Jamil Haddad. “Em 1993, já no Ministério da Saúde, vi que o projeto continuava na gaveta da Câmara e, ao mesmo tempo, a OMS nos solicitava a liberação dos genéricos. Consultei a assessoria jurídica do Ministério da Saúde que disse não haver necessidade de a autorização ser feita por lei. Podia ser por decreto. Eu preparei-o, levei ao presidente Itamar, que assinou junto comigo.”
“Na prática, em 1999, quando a lei foi aprovada e o Serra era o ministro da Saúde, genéricos já estavam sendo fabricados no Brasil”, enfatiza Jamil Haddad. “A lei de 1999 é apenas a regulamentação do decreto que já existia. O projeto aprovado foi um substitutivo que apresentei ao do Eduardo Jorge e que recebeu uma porção de emendas. Hoje, os genéricos são uma realidade no País. Até o laboratório multinacional Merck, Sharp & Dohme, que fez campanha feroz contra mim naquela época, entrou violentamente no mercado dos genéricos, como já fazia no restante do mundo. Você acha que ia deixar de comer uma fatia desse bolo?”