MPB

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

2012 - As principais Ações do Governo Dilma.


Brasil sem Miséria




Programas para a erradicação da miséria no Brasil e a elevação do país como referência no investimento para educação e esportes marcaram o ano de 2012 da presidenta Dilma Rousseff à frente do Planalto. Confira uma breve retrospectiva com as principais ações e conquistas realizadas ao longo do ano.
 
Retirou 16,4 milhões de brasileiros da pobreza extrema  

Lançamento do Brasil Carinhoso

  • Somente em outubro, foram repassados R$ 186,3 milhões a 2,16 milhões de famílias, beneficiando quase 3 milhões de crianças de 0 a 6 anos
  • 9 anos de Bolsa Família

    Foram transferidos R$ 17,3 bilhões aos beneficiários do Bolsa Família. Mais de 50 milhões de pessoas foram beneficiadas em 9 anos a um custo de 0,46% do PIB brasileiro.
  • *Em 2012, 96,7% das 15,1 milhões de crianças e jovens beneficiários do Bolsa Família superaram a frequência escolar exigida pelo programa (agosto/setembro)
  • Aumento dos empregos no país

    *Até outubro, foram criados 1,7 milhões de postos de trabalho. Somente no governo da presidenta Dilma Rousseff (desde 2010) já foram criados 4 milhões de novos postos. O Brasil registra atualmente o menor nível de desemprego da história
  • Saúde

    *Foram realizados mais de 12,3 mil transplantes no SUS, aumento de 12,7% em relação a 2011. Também, aumentou 22% a quantidade de doadores de órgãos
  • Minha Casa, Minha Vida

    *Mais de 970 mil moradias entregues em 2012
  • Crédito em expansão

    *Nos últimos 12 meses, a taxa média de juros caiu 10,2%
  • Redução da tarifa de energia

    *Consumidores passam a pagar contas de luz 16,2% mais baratas. Para as indústrias, a tarifa vai variar de 12% a 28%, dependendo da tensão elétrica utilizada. A média deve ficar em 20% de redução
  • Ampliação do Pronatec

    *O Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego já ofereceu 2,5 milhões de vagas para jovens e trabalhadores em cursos profissionalizantes
  • Cientistas para o mundo

    *Mais de 20 mil estudantes foram beneficiados em 2012 com bolsas de estudos do programa Ciência sem Fronteiras
  • Mais Educação

    *Crescimento de 127% no número de escolas do ensino fundamental que aderiram ao programa Mais Educação, oferecendo atividades educacionais no contraturno
  • Meio ambiente

    *O desmatamento da Amazônia continua em queda: 27% menor em comparação com o ano anterior
  • Modernizações dos aeroportos

    *Estão em andamento 31 ações em 13 aeroportos: Brasília, Belo horizonte, Campinas, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Salvador, Guarulhos/SP, São Gonçalo do Amarante/RN e Galeão/Rj. Os investimentos já somam R$ 7,35 bilhões.
  • Infraestrutura

    *38,5% das obras e ações de grande complexidade do PAC2 foram concluídas, um investimento de R$ 272,7 bilhões executados em 2011 e 2012
  • Copa do Mundo

    *Dois novos estádios foram inaugurados em 2012 e outros quatro serão entregues em 2013
  • Lançamento do Plano Brasil Medalhas 2016

    *Apoio aos 200 atletas olímpicos e paraolímpicos brasileiros classificados entre os 20 melhores do mundo em suas modalidades, para preparação dos jogos olímpicos do Rio em 2016
  • Dilma.com.br

  • quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

    E agora Ministro Joaquim Barbosa, vamos aos fatos!

    quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

    Empresário do 'mensalão' nos Correios e no caso Valec aparece nos R$ 16 milhões do Alvaro Dias


    Agora a casa do senador Alvaro Dias (PSDB-PR) caiu, e com um empurrãozinho da própria revista Veja (sem querer).

    O senador é réu em um processo judicial de disputa patrimonial, movido por uma filha, reconhecida através de exames de DNA. O processo poderia ser apenas mais um entre tantos, sem maior interesse público, não fosse o valor de R$ 16 milhões em causa, pois o senador tucano declarou à Justiça Eleitoral (e ao eleitor) ter um patrimônio de R$ 1,9 milhão, na última eleição que disputou. O aparecimento desta súbita fortuna causou perplexidade à nação brasileira, que pergunta: como o senador, da noite para o dia, aparece como um dos parlamentares mais ricos do Brasil?

    Detalhe: o processo não está em segredo de justiça, ao contrário do que disse o senador em seu twitter, e não é uma mera disputa familiar. É uma disputa patrimonial graúda envolvendo mais 10 réus ao lado de Alvaro Dias, e quatro deles são pessoas jurídicas.

    Uma das empresas ré na causa é a "AGP Administração, Participação e Investimentos Ltda.", de Alexandre George Pantazis, indicando que Alvaro Dias teve algum tipo de negócio com esta empresa envolvendo os R$ 16 milhões em questão.

    Alexandre Pantazis é dono da empresa Dismaf - Distribuidora de Manufaturados Ltda. junto com seu irmão Basile, que era tesoureiro do PTB-DF.

    A Dismaf foi objeto de uma reportagem da revista Veja (pág. 64, edição 2212 de 13/04/2011), acusando a empresa de pagar propinas ao PTB sobre contratos nos Correios, no caso que deu origem ao "mensalão" a partir da gravação feita por um araponga de Carlinhos Cachoeira, que levou Roberto Jefferson a dar a entrevista em 2005. A reportagem foi baseado na denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal. Declarada inidônea pelos Correios, a empresa não podia participar de licitações, mas ganhou uma na Valec (que constrói a ferrovia norte-sul) para fornecer trilhos. O fato foi alvo de auditoria na CGU e foi um dos motivos para demissão do ex-presidente da Valec, o Juquinha.

    Só uma investigação sobre os contratos e quebra de sigilo bancário poderá esclarecer o real envolvimento do senador tucano com o dono da Dismaf, .

    Agora o que vai acontecer? O Alvaro Dias e seus negócios com um dono da Dismaf será capa da próxima revista Veja?

    quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

    quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

    “O Brasil em debate: O Estado democrático de direito, a mídia e o Judiciário”...

    Debate discute a cobertura da mídia e Judiciário no processo do "mensalão" .



    Com o tema “O Brasil em debate: O Estado democrático de direito, a mídia e o Judiciário. Em pauta a ação penal 470″, os jornalistas Paulo Moreira Leite (Revista Época), Raimundo Pereira (Retratos do Brasil), o professor em Direito Constitucional Pedro Serrano (PUC-SP) e Cláudio José Langroiva Pereira (PUC-SP) e o ator Zé de Abreu discutiram como se deu a participação da mídia e também do Judiciário no processo penal que culminou não apenas nas condenações dos réus, mas também na forte pressão e interferência política que os veículos de comunicação exerceram sobre o julgamento.

    segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

    Você se lembra? Caso Escola Base: Globo terá de pagar R$ 1,35 mihões.

    Publicado em Domingo, 16 Dezembro 2012 09:32
    Escrito por Jussara Seixas

    A Rede Globo foi condenada a pagar R$ 1,35 milhão para reparar os danos morais sofridos pelos donos e pelo motorista da Escola Base de São Paulo. Icushiro Shimada, Maria Aparecida Shimada e Maurício Monteiro de Alvarenga devem receber, cada um, o equivalente a 1,5 mil salários mínimos (R$ 450 mil). A assessoria de imprensa da Globo afirmou que a emissora "está recorrendo e que não divulga a informação por questão de estratégia jurídica" . Os jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e a revista IstoÉ também já foram condenados. Em todos os casos já julgados, ainda não houve decisões do Superior Tribunal de Justiça.Segundo o site Espaço Vital, a decisão contra a Globo foi tomada por unanimidade na manhã de quarta-feira pela 7ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP. O TJ entendeu que a atuação da imprensa deve se pautar pelo cuidado na divulgação ou veiculação de fatos ofensivos à dignidade e aos direitos de cidadania. Em março de 1994, a imprensa publicou reportagens sobre seis pessoas que estariam envolvidas no abuso sexual de crianças, alunas da Escola Base, localizada no Bairro da Aclimação, em São Paulo. Jornais, revistas, emissoras de rádio e de tevê basearam-se em "ouvir dizer" sem investigar o caso . Quando foi descoberto, a escola já havia sido depredada, os donos estavam falidos e eram ameaçados de morte em telefonemas anônimos

    sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

    Zé de Abreu aponta trama para Valério falar.



    Acordo de R$ 17 milhões teria convencido o empresário a envolver o ex-presidente Lula no 'mensalão', de acordo com o ator; dinheiro teria sido reunido por grupo de empresários, políticos, além de Roberto Civita, dono da Veja; condição era que declarações saíssem primeiro na revista semanal, que em setembro deu capa com Marcos Valério; procurada, editora Abril não se pronunciou

    14 de Dezembro de 2012 às 15:26

    247 – Declarações de um advogado feitas na madrugada desta sexta-feira denunciam suposta trama que envolve um acordo de R$ 17 milhões para convencer o empresário Marcos Valério a denunciar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do 'mensalão'. A conversa, que teria acontecido num restaurante de Brasília, foi noticiada nesta manhã pelo ator e ativista político José de Abreu, via Twitter.
    Ao 247, Abreu não deu mais informações sobre quem seria o advogado, mas garantiu que não se trata de Marcelo Leonardo, representante do publicitário mineiro na Ação Penal 470, da qual seu cliente foi condenado com uma pena que passa dos 40 anos. Marcelo Leonardo sequer teria concordado com o acerto. Quanto à fonte que lhe revelou o diálogo, ele se limitou a dizer: "É um político da oposição".
    "Estou repassando o que me contaram, foi nessa madrugada. Uma pessoa ouviu do advogado, que começou a falar mais alto num restaurante de Brasília. Era um lugar menos nobre, não era tipo um Piantella", descreveu José de Abreu, em referência ao famoso ponto de encontro de políticos da capital federal. Segundo ele, há ainda prometido ao empresário dois apartamentos nos Estados Unidos, um em Miami e outro em Nova York, "FORA o pagamento de TODAS as multas financeiras a que MV foi condenado".
    O acerto teria sido feito sob a condição de que as revelações contra Lula sairiam primeiramente na revista Veja. Em setembro, uma reportagem de capa intitulada "Os segredos de Valério" traz frases atribuídas a interlocutores próximos ao empresário apontando o ex-presidente como chefe do 'mensalão'. Segundo o advogado, o dinheiro para pagar Marcos Valério teria vindo de uma "composição financeira" envolvendo empresários, políticos e o próprio dono da semanal, Roberto Civita, quem, segundo ele, seria o responsável pela organização da 'vaquinha'.
    Posteriormente à publicação da reportagem, foi levantado um debate na imprensa e nas redes sociais que questionava a veracidade das denúncias e a existência de um áudio que comprovasse a entrevista. O colunista do jornal O Globo, Ricardo Noblat, liderou a defesa à revista, garantindo que havia, sim, uma "fita" com as revelações de Valério. Procurada pelo 247 para comentar as denúncias, a assessoria de imprensa da Editora Abril não respondeu até a publicação dessa reportagem.
    Futuro dos filhos
    A intenção de Marcos Valério seria "deixar bem os filhos", postou o responsável pelas revelações. Ao 247, o ator acrescentou que há psiquiatras e psicólogos envolvidos e que o publicitário não passa bem. "Cada imóvel teria sido colocado em nome de cada filho de MV. A saída de casa, a "farsa da separação" segundo o advogado bêbado, fazem parte", escreveu José de Abreu, em referência ao acordo. Valério andava muito deprimido e não queria deixar a família sem garantias quando ele fosse para a prisão, conta Abreu.
    Falou, tem que provar
    As denúncias, porém, teriam de ser provadas. "Uma parte da grana só seria paga se MV conseguisse que abrissem processo contra Lula", escreveu José de Abreu no microblog. Depois de três meses da reportagem publicada por Veja, o jornal O Estado de S.Paulo revelou, nesta semana, parte de um depoimento do empresário à Procuradoria Geral da República feito em 2003, com mais revelações sobre o ex-presidente.
     
    Do Blog brasil247

    terça-feira, 11 de dezembro de 2012

    TRT mantém suspensão das demissões no Santander.


    Segunda audiência sobre o assunto foi realizada nesta terça 11. Na quarta 12 haverá novo encontro


    São Paulo – O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região (capital e região metropolitana de São Paulo) decidiu manter a liminar que suspendeu as demissões sem justa causa feitas pelo Santander em São Paulo, Osasco e região a partir de 6 de dezembro. A decisão foi tomada durante a segunda audiência de conciliação entre o Sindicato e o Santander, ocorrida nesta terça-feira 11.

    > Vídeo: matéria especial sobre a audiência

    A desembargadora Rilma Aparecida Hemetério considerou que embora o Sindicato tenha tido acesso à petição do Santander, a entidade não teve conhecimento dos documentos que a acompanharam e, por isso, não pôde se manifestar no prazo que foi concedido. “Qualquer decisão que eu tomasse agora seria temerária porque eu estaria ferindo o princípio do contraditório”, disse a desembargadora durante a sessão.

    A liminar, requerida pelo Sindicato, foi concedida pela mesma desembargadora em sessão no dia 6. Caso a direção do Santander a desobedeça, terá de pagar multa diária de R$ 100 mil. Na ocasião, a juiza frisou que o banco espanhol deveria respeitar os trabalhadores brasileiros, assim como respeitam os da Espanha, país de origem da empresa.

    > TRT-SP suspende demissões do Santander

    Nova audiência – Rilma Hemetério concedeu o prazo de 24 horas para que o Sindicato se manifestasse sobre os documentos apresentados pelo Santander. Ela marcou uma nova audiência para quarta-feira, às 15h. Antes disso, porém, haverá uma reunião de conciliação entre os representantes do Sindicato e do banco, às 10h, também no TRT-SP.

    Demissões – Desde o início de dezembro, o Santander admitiu ter realizado mil desligamentos em todo o país, mas informações levantadas pelos representantes dos trabalhadores indicam que, de fato, o número de demissões ultrapassa duas mil no Brasil.

    Cobrado pelo TRT-SP, o Santander entregou lista na qual constam os nomes de 440 trabalhadores na base do Sindicato em processo de demissão, em dezembro. O banco alega que esse total não caracteriza demissão em massa, mas o Sindicato apresentou dados que mostram o contrário. Segundo levantamento da entidade, a média de homologações do Santander em São Paulo, Osasco e região é de 77,8 ao mês, em 2012, muito abaixo das 440 previstas para dezembro.

    Compareça ao Sindicato – Além disso, o Sindicato tem o nome de sete trabalhadores demitidos que não constam na lista apresentada pelo Santander. Por isso, a secretária de Finanças do Sindicato e coordenadora na mesa de negociação com o banco, Rita Berlofa, reforça que os trabalhadores que receberam carta de demissão devem comparecer à sede da entidade (Rua São Bento, 413). “É essencial que esses bancários procurem o Sindicato, pois assim ele nos trazem informações que poderão ser confrontadas com as apresentadas pelo banco”, avisa.

    A presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, ressalta que a entidade está disposta a negociar, mas espera a mesma atitude do banco. “Não adianta o Santander querer rever possíveis demissões ilegais, porque estas serão revertidas na Justiça. Queremos discutir as demais demissões de dezembro, como a de trabalhadores que estavam prestes a se aposentar ou daqueles com muitos anos de casa, entre outros casos.”

    Veja o video:

    http://www.spbancarios.com.br/Videos.aspx?id=467

    terça-feira, 4 de dezembro de 2012

    Revista Veja tem donos Racista que Apoiaram Apartheid. Veja o Video...

    Revista Veja tem como acionários e donos tambem o Grupo Naspers sul Africano que sancionou leis para separar negor de brancos, e que apoiavam o EXTERMINIO DE NEGROS , aMATANÇA de negros durante o período do Apartheid , é nessa revista que voce confia ? COMPARTILHEM PARA QUE TODOS SAIBAM.



    Esse video pode ser retirado ... Se for? esta salvo e tente assistir aqui...

    domingo, 2 de dezembro de 2012

    Felipão é xingado em festa de final de ano de funcionários do Banco do Brasil em São Paulo.

    01.12.2012 - 21:10

     

    Parece que o pedido de desculpas não foi o suficiente para que os funcionários do Banco do Brasil perdoassem o novo técnico da seleção brasileira. Durante sua apresentação no cargo, Luiz Felipe Scolari disse que, se quem quiser algo tranquilo, “que vá trabalhar no Banco do Brasil”, o que gerou irritação dos funcionários da estatal.
    Entidades sindicais ligadas aos bancários divulgaram uma série de notas de repúdio contra o treinador, que depois veio a público se desculpar pela gafe. No entanto, pelo menos os funcionários de São Paulo do BB não quiseram saber das escusas de Felipão.
    Durante a festa de final de ano do Banco do Brasil, em uma casa de show na Grande São Paulo, os funcionários puxaram um coro, xingando Scolari, no meio do show da banda Capital Inicial. Depois disso, ele também foi ofendido durante o cover da música “Que País É Esse”, da Legião Urbana.
    Dinho Ouro Preto, vocalista da banda, entrou na pilha dos presentes e criticou duramente o treinador por sua passagem pelo Palmeiras, o culpando pelo rebaixamento no Campeonato Brasileiro, e por sua frase sobre o Banco do Brasil.

    Veja o video...
     

    sábado, 1 de dezembro de 2012

    Advogada negra é agredida em ação violenta da PM do Paraná.


    Em emocionante depoimento, a advogada Andréia Cândida Vitor relata como foi submetida a sessões de torturas físicas e psicológicas. Os agressores são policias militares, que a prenderam.

    Segundo a advogada, que é negra, ela foi agredida porque presenciou a truculência da PM paranaense, em rua perto de sua casa, que teria desrespeitado os direitos de idosos, deficientes, crianças e adolescentes.

    O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR), Juliano Breda, disse ao blog que "a entidade prestará toda assistência jurídica necessária à advogada, diante desse gravíssimo episódio e exigirá das autoridades a firme responsabilização dos envolvidos".

    Vídeo da RPC TV.
    Do Blog de MariaFrô

    sexta-feira, 30 de novembro de 2012

    Coisas que gosto de ver, ouvir e compartilhar. "Baú do Casé" -Chico Buarque e Maria Bethânia - Sem Fantasia


    Maria Bethânia recebe Chico Buarque no palco e os dois cantam juntos a música "Sem Fantasia", repetindo o famoso dueto que os dois faziam em 1975 durante a temporada de shows que estrelavam no Canecão.

    Um clássico!

    sábado, 24 de novembro de 2012

    MANO BROWN SOLTA O VERBO NA CERIMÔNIA DO TROFÉU RAÇA NEGRA.


    O PROTESTO DE MANO BROWN EM SEU DISCURSO DE AGRADECIMENTO POR RECEBER O TROFÉU RAÇA NEGRA : ELE DIZ QUE ELE E O GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN TORCEM PELO MESMO TIME (SANTOS FC ) MAS NÃO TEM NADA EM COMUM UM COM O OUTRO; CRITICA A MATANÇA DA JUVENTUDE NEGRA E DIZ QUE SÃO PAULO É A CIDADE MAIS RACISTA DO PAÍS.

    Um homem de coragem "Mensagem de Lewandowski à blogosfera".




    Às 14:00 hs. de 22 de novembro de 2012 o signatário desta página foi recebido no gabinete do ministro do STF doutor Ricardo Lewandowski, quando lhe entregou o manifesto de milhares de leitores desta página e da blogosfera em geral no sentido de desagravá-lo dos ataques que tem sofrido na imprensa.
    Estava lá toda a família do ministro, filhos, esposa, noras e amigos. Fiquei sabendo que o doutor Lewandowski e seus filhos são leitores do Blog da Cidadania há anos, desde 2007, quando fundei o Movimento dos Sem Mídia.
    Assista, abaixo, à mensagem que o doutor Lewandowski gravou e que é dirigida a você que o apoiou, bem como a toda a Blogosfera que não lhe faltou em um momento que sua família relatou que foi muito difícil.


    segunda-feira, 19 de novembro de 2012

    Coisas que gosto de ver, ouvir e compartilhar. "Baú do Casé" - Especial Luiz Gonzaga- 1972


    Excelente e raro especial com Luiz Gonzaga onde Julio Lerner apresenta e Luiz conversa e é entrevistado por Julio e por seu filho, Gonzaguinha ( que toca um número ). Belas histórias, muita música com Luiz Gonzaga e grupo no estúdio com Dominguinhos tocando. No final, Quinteto Violado ! Tocando ' Asa Branca ' e juntando-se ao grupo de Luiz para fechar o programa.

    Luiz Gonzaga Raridade - Especial ' Proposta ' Pt.1 ( 1972 ) Partic. Gonzaguinha , Julio Lerner

    sexta-feira, 16 de novembro de 2012

    Bomba! Geraldo Alckmin protege o PCC.


    Band Revela: Governador e Secretário sabem do envolvimento de policiais com o crime organizado e não fazem NADA! Valer lembrar que o Governo Alckmin tem o apoio de empresas como Folha, Veja, Globo e Estadão. Impeachment de Geraldo Alckmin Já!!!

    A nova Classe Média (Vozes da Classe média).



    Vídeo apresentado durante evento para lançamento do Projeto "Vozes da Classe Média", realizado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR) em parceria com a Caixa Econômica Federal e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no dia 20 de setembro de 2012.

    quarta-feira, 14 de novembro de 2012

    Para reflexão de todos...

     
     


    Breno Altman, via Brasil 247

    O ministro Joaquim Barbosa, relator da Ação Penal 470, praticamente concluiu sua tarefa como relator, às vésperas de assumir a presidência do STF, com um burlesco golpe de mão. Aparentemente para permitir que Ayres Britto pudesse votar na dosimetria dos dirigentes petistas, subverteu a ordem do dia e antecipou decisão sobre José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares. Apenas a voz de Ricardo Lewandowski se fez ouvir, em protesto à enésima manobra de um julgamento marcado por arbitrariedades e atropelos.

    Talvez em nenhum outro momento de nossa história, ao menos em períodos democráticos, o País se viu enredado em tamanha fraude jurídica. Do começo ao fim do processo, o que se viu foi uma sucessão de atos que violaram direitos constitucionais e a própria jurisprudência do tribunal. A maioria dos ministros, por opção ideológica ou mera covardia, rendeu-se à sentença prescrita pelo baronato midiático desde que veio à tona o chamado “mensalão”.

    Os arroubos de Roberto Jefferson, logo abraçados pela imprensa tradicional e parte do sistema judiciário, serviram de pretexto para ofensiva contra o governo Lula, o Partido dos Trabalhadores e a esquerda. José Dirceu e seus companheiros não foram julgados por seus eventuais malfeitos, mas porque representam a geração histórica da resistência à ditadura, da ascensão política dos pobres e da conquista do governo pelo campo progressista.

    Derrotadas nas urnas, mas ainda mantendo sob seu controle os poderes fáticos da república, as elites transitaram da disputa político-eleitoral para a criminalização do projeto liderado pelos petistas. Com a mesma desfaçatez de quando procuravam os quartéis, dessa vez recorreram às cortes. Agora, como antes, articuladas por um enorme aparato de comunicação cujo monopólio é exercido por umas poucas famílias.

    O STF, nessas circunstâncias, resolveu trilhar o caminho de suas piores tradições. Seus integrantes, majoritariamente, alinharam-se aos exemplos fornecidos pela extradição de Olga Benário para a Alemanha nazista, pela cassação do registro comunista em 1945 e pelo reconhecimento do golpe militar de 1964. Como nesses outros casos, rasgaram a Constituição para servir ao ódio de classe contra forças que, mesmo timidamente, ameaçam o jugo secular das oligarquias pátrias.

    Garantias internacionais, como a possibilidade do duplo grau de jurisdição, foram desconsideradas desde o primeiro instante. Provas e testemunhos a favor dos réus terminaram desprezados em abundância e sem pudor, enquanto simples indícios ou ilações eram tratados como inapeláveis elementos comprobatórios. Uma teoria presidiu o julgamento, a do domínio funcional dos fatos, aplicada ao gosto do objetivo inquisitorial. Por meio dessa doutrina, réus poderiam ser condenados pelo papel que exerciam, sem que estivesse cabalmente demonstrados ação ou mando.

    O que interessava, afinal, era forjar a narrativa de que o PT e o governo construíram maioria parlamentar através da compra de votos e do desvio de dinheiro público, sob a responsabilidade direta de seus mais graduados líderes. As contraprovas que rechaçam supostos fatos criminosos e sua autoria, fartamente apresentadas pela defesa, simplesmente foram ignoradas em um julgamento por encomenda.

    Enganam-se aqueles que apostam em qualificar este processo como um problema de militantes petistas, quem sabe, injustamente condenados. José Dirceu e seus pares não foram sentenciados como indivíduos, mas porque expressavam a fórmula para colocar o PT e o presidente Lula no banco dos réus. Os discursos dos ministros Marco Aurélio de Mello, Ayres Britto e Celso de Melo não deixam dúvida disso. Não hesitaram em pisar na própria Constituição para cumprir seu objetivo.

    Mesmo que eleitoralmente o procedimento venha se revelando relativamente frágil frente ao apoio popular às mudanças iniciadas em 2003, não podem ser subestimados seus efeitos. As forças conservadoras fizeram, dessa ação penal, plataforma estratégica para desgastar a autoridade do PT, fortalecer o poder judiciário perante as instituições conformadas pela soberania popular e relegitimar a função da velha mídia como procuradora moral da nação.

    O silêncio diante desta agressão facilitaria as intenções de seus operadores, que se movimentam para manter sob sua hegemonia casamatas fundamentais do Estado e da sociedade. Reagir à decisão da corte suprema, porém, não é apenas ou principalmente questão de solidariedade a réus apenados de maneira injusta. A capacidade e a disposição de enfrentar essa pantomima jurídica poderão ser essenciais para o PT e a esquerda avançarem em seu projeto histórico.

    Breno Altman é diretor do site Opera Mundi e da revista Samuel.

    ***

    O silêncio vexatório dos parlamentares do PT no Congresso

    Manifesto popular dos eleitores, simpatizantes e militantes do Partido dos Trabalhadores exigindo que deputados e senadores se manifestem sobre as novas acusações feitas contra a Procuradoria Geral da República, pelo senador Fernando Collor de Mello na tribuna do Senado.

    Via Osvaldo Ferreira no Facebook

    Os parlamentares do PT estão num silêncio vexatório. Não se exija da presidenta Dilma Rousseff, chefe do poder executivo, que se manifeste sobre um outro poder da República. Isso não lhe cabe. Esta tarefa cabe aos parlamentares do PT protegidos constitucionalmente em suas prerrogativas de representantes do povo. No entanto, permanecem em um silêncio sepulcral, vergonhoso, constrangedor e covarde. Cabe a cada um de nós pressioná-los. Se não fizermos isso como ação política de eleitores e cidadãos, não estaremos exercendo nossa cidadania. Que tal deixarmos nossa inércia de lado e partirmos para a ação? Duvido que ao receberem milhares de e-mails continuem a nos envergonhar… Este é o nosso papel como cidadãos! Chega de silêncio!

    Senhores senadores e deputados

    O silêncio dos senhores parlamentares do PT já era constrangedor por ocasião do julgamento da Ação Penal 470. Dotados que são de prerrogativa constitucional que lhes permite se manifestar sobre todos os assuntos desta triste República assaltada em suas esperanças por uma Procuradoria Geral da República acusada de vazamento de parte de depoimentos sigilosos a uma publicação para lá de envolvida com o crime organizado e vilipendiada por um julgamento canhestro, oportunista e contaminado pelo clamor da turba midiática oligopolizada, o silêncio que persiste no Partido dos Trabalhadores ultrapassou as raias do intolerável, não do tolerável. Do intolerável mesmo!

    Não é o governo, o poder executivo ora ocupado pelo PT que deve responder às afrontas da Procuradoria Geral da República e do Supremo Tribunal Federal, mas os parlamentares do partido portadores de prerrogativas que nem o cidadão comum, teoricamente igual em direitos possui no uso da palavra. Este é o papel dos senhores, nossos parlamentares!

    O quadro partidário é amplo e a covardia é algo que não se tolera no Brasil, ainda mais em políticos eleitos por uma militância aguerrida. Persistam os senhores no silêncio e em pouco tempo colherão os frutos de deixarem seus eleitores combativos nas redes sociais e nas ruas (nós que elegemos Haddad, Lula e Dilma com muito suor), sem respostas.

    Nós exigimos e não mais pedimos um posicionamento do PT imediatamente e sem delongas enquanto partido político. E este posicionamento sobre os fatos e eventos dos últimos três meses deve vir dos senhores parlamentares os quais elegemos com muito trabalho e da Direção Nacional do Partido dos Trabalhadores.

    Já! Imediatamente!

    A cidadania exige isso! Os militantes do PT exigem isso! Chega de silêncios! A tribuna da Câmara e do Senado clamam que se manifestem em nome dos votos que os elegeram! Esses votos são nossos!

    Encaminhe e-mail paras os deputados e senadores do PT para eles tomarem uma posição.

    lid.govcamara@camara.leg.br, lid.pt@camara.leg.br, dep.janeterochapieta@camara.leg.br, dep.betofaro@camara.leg.br, dep.valmirassuncao@camara.leg.br, dep.marciomacedo@camara.leg.br, dep.dalvafigueiredo@camara.leg.br, dep.sibamachado@camara.leg.br, dep.luizcouto@camara.leg.br, dep.bohngass@camara.leg.br, dep.deciolima@camara.leg.br, dep.amauriteixeira@camara.leg.br, dep.irinylopes@camara.leg.br, dep.fernandoferro@camara.leg.br, ana.rita@senadora.gov.br, angela.portela@senadora.gov.br,anibal.diniz@senador.gov.br, gab.josepimentel@senado.gov.br,lindbergh.farias@senador.gov.br, pinheiro@senador.gov.br, wellington.dias@senador.gov.br, humberto.costa@senador.gov.br, jorgeviana.acre@senador.gov.br, gab.josepimentel@senado.gov.br,lindbergh.farias@senador.gov.br, humberto.costa@senador.gov.br,paulopaim@senador.gov.br, eduardo.suplicy@senador.gov.br

    terça-feira, 13 de novembro de 2012

    Coisas que gosto de ver, ouvir e compartilhar. "Baú do Casé" - Phil Collins, "In the air tonight


    A magia do tempo...

    2007 - Phil Collins, "In the air tonight" (First Farewell Tour)  


    1986 - Eric Clapton&Phil Collins - In The Air Tonight-Live





    sábado, 10 de novembro de 2012

    "Mensalão não existiu", afirma jornalista Raimundo Pereira.


    Publicado em 06/11/2012 por
    Segundo o supervisor editorial da revista Retrato do Brasil, Raimundo Pereira, a grande mídia e a oposição querem atacar o PT por causa dos avanços que o partido promoveu no país.

    A verdade sobre a politica de segurança de Alckimin!


    A verdade sobre a politica de segurança de Alckimin e o seu carater em entrevista ao canal de internet Dateline da TV Americana NBC

    Paraisópolis, Zona Sul, um dos bairros mais atingidos pelas ações da polícia: 37 presos (7 menores) em dois dias
    Breve dossiê revela: onda de assassinatos que apavora Estado foi iniciada e radicalizada pela PM. Governo Alckmin omite-se. Mídia silencia
    Por Antonio Martins
    I.
    Ao descrever, num ensaio recente (breve em português, em Outras Palavras), a situação tormentosa vivida pela Grécia, o jornalista Paul Mason, da BBC, recorre à história da Alemanha, às portas do nazismo. Só uma sucessão de erros crassos, mostra ele, pôde permitir que Hitler chegasse ao poder. Mas havia algo sórdido por trás destes enganos. Embora não fosse conscientemente partidária do terror, a maior parte das elites alemãs desejava o autoritarismo, pois já não conseguia tolerar o ambiente democrático da república de Weimar.
    As circunstâncias são distintas: não há risco de fascismo no cenário brasileiro atual. Mas é inevitável lembrar de Mason, e de sua observação sobre a aristocracia alemã, quando se analisa a espiral de violência que atormenta São Paulo há cinco meses. Em guerra com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), parte da Polícia Militar está envolvida numa onda de assassinatos que já fez dezenas de vítimas, elevou em quase 100% o índice de homicídios no Estado e aterroriza as periferias.
    Pior: a escalada foi iniciada (e é mantida e aprofundada) por integrantes da própria PM, a força que deveria garantir a segurança e o cumprimento da lei no Estado. Mas apesar de inúmeras evidências, o governo do Estado não age para refrear tal atitude. E a mídia omite, ao tratar da onda de mortes, a participação e responsabilidade evidentes da polícia. É como se tivessem interesse em manter, em São Paulo, um corpo armado, imune à lei e ao olhar da opinião pública, capaz de se impor à sociedade e diretamente subordinado a um governador cujos laços com a direita conservadora são nítidos.
    Para ocultar o papel de parte da PM na avalanche de brutalidade, a mídia criou um padrão de cobertura. As mortes de autoria do PCC são noticiadas, corretamente, como assassinatos de PMs. Informa-se que o número de crimes deste tipo cresce de modo acelerado — já são 90 vítimas, este ano. Mas se associa a insegurança que passou a dominar o Estado apenas a estes atos. Também informa-se sobre parte das mortes praticadas pela PM — seria impossível escondê-las por completo. No entanto, aceita-se, sempre sem investigação jornalística alguma, a versão da polícia: morreram “em confronto”, depois de terem reagido.
    Este estratagema permite silenciar sobre três fatos essenciais e gravíssimos: a) parte da PM abandonou seu compromisso com a lei e a ordem pública e passou a agir à moda de um grupo criminoso, colocando em risco a população e a grande maioria dos próprios policiais, honestos e interessados em cumprir seu papel; b) diante desta subversão do papel da PM, o comando da corporação e o governo do Estado estão, ao menos, omissos; c) procura-se preservar este estado, evitando, recorrentemente, caracterizar a atitude do setor criminoso da polícia e, muito menos, puni-lo.
    II.
    Algumas iniciativas permitiram, nos últimos dias, começar a quebrar a cortina de silêncios e omissões. O jornalista Bob Fernandes, editor-chefe do Terra Magazine, sustentou, num comentário corajoso, em noticiário da TV Gazeta, que havia algo além do crime organizado, por trás da onda de assassinatos. “Rompeu-se um pacto entre polícia militar e PCC”, frisou Fernandes — e atribuiu a esta ruptura tanto a “guerra” entre os dois grupos como a espiral de morte que se seguiu.Criminosos matam de um lado? Vem a resposta: alguns, quase sempre em motos, com munição de uso exclusivo de forças policiais, dão o troco e também matam.”
     
    Leia mais...OutrasPalavras

    quinta-feira, 8 de novembro de 2012

    Enquanto a Direita tenta o golpe ...Lula trabalha...


    
    O ex-presidente Lula com Luiz Casé e Juvandia Moreira (Presidenta do Sindicato dos Bancários de SP,Osasco e Região)

    Lula visita terra de heróis retomando roteiro previsto em 2011

    Entre os dias 16 e 23 de novembro, o ex-presidente Lula visitará a África do Sul, Moçambique, Etiópia e Índia, em roteiro que relembra grandes lutas sociais nos dois continentes.

    No dia 16 de novembro, na África do Sul, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva inicia um roteiro por quatro países e dois continentes. Na viagem, Lula encontrará chefes de estado e de governo, jovens, dirigentes sindicais, lideranças populares e empresários. Lula deve retornar ao Brasil no dia 24 de novembro.

    Lutas pela independência, contra o racismo, pela democracia e por justiça social marcam os países que serão visitados nesta viagem. As atividades do ex-presidente relembram nomes importantes da história mundial como Nelson Mandela, Steve Biko, Samora Machel, Indira Gandhi e Jawaharlal Nehru.

    Esse roteiro estava pronto para ser seguido no ano passado, mas teve de ser adiado em função do câncer diagnosticado no ex-presidente. Recuperado, ele retoma essa agenda dando continuidade, na África, ao trabalho de aproximação com os países do continente que o Instituto Lula vem desenvolvendo desde sua criação.

    Nos contatos com os chefes de Estado, e particularmente em sua visita à sede da União Africana, Lula tratará do grande encontro organizado pela FAO, em parceria com a União Africana, que acontecerá em 4 e 5 de março de 2013, em Adis Abeba. O evento tem apoio do Instituto Lula e terá como tema a coordenação das ações de combate à fome na África.

    Como em todos os encontros que Lula tem fora do Brasil, a crise econômica mundial, o sucesso das políticas sociais brasileiras, o desenvolvimento sustentável e a paz serão temas presentes.

    Na Índia, última parada do roteiro, Lula receberá o Prêmio Indira Gandhi. O ex-presidente também fará discurso em homenagem a Jawaharlal Nehru, líder da luta pela independência indiana e primeiro primeiro-ministro da história do país.

    Após a visita à Índia, o ex-presidente retorna ao Brasil.

    quarta-feira, 7 de novembro de 2012

    VISTA MINHA PELE...Video mostra a inversão de situações, nas quais os negros/as formam a classe dominante e os brancos/as é que foram os escravizados e vivem sob exclusão social.

    O lançamento da programação da CUT para o Mês da Consciência Negra foi marcado pela exibição do curta-metragem “Vista minha pele” e debate na presença do diretor do filme, Joel Zito Araújo.

    O curta...Apesar da paródia e do tom bem humorado adotado no vídeo, o cineasta explicou que o roteiro foi concebido com base em pesquisas sobre a dura realidade vivida por crianças e adolescentes negros/as do ensino fundamental e médio.

    Zito disse que hoje o debate racial é uma questão nacional e não mais restrita a poucos militantes como há alguns anos, mas chamou atenção para a atitude da direita que está reagindo por meio da mídia conservadora. “O movimento sindical tem que cobrar o pagamento da dívida histórica e também atacar o preconceito introjetado pela sociedade”, ressaltou.

    Confira na íntegra o curta "Vista minha pele"

    GLOBO NEWS COM CARA DE BUNDA AO VIVO "Obama mudou EUA, mas NÃO É UM LULA"


    Como é bom ver as caras dos GLOBOBOS que ainda se assustam com as declarações...



    segunda-feira, 5 de novembro de 2012

    São Paulo sob terror e Alckmin segue blindado contra críticas.


    A região metropolitana de São Paulo – capital e cidades do entorno – está sob um legítimo ataque terrorista. Muito mais grave, até, do que os que ocorrem no Oriente Médio.
    A diferença é que as pessoas, na maioria das vezes, não são mortas por atacado, mas as mortes se prolongam por meses a fio e ocorrem todos os dias.
    Nos últimos meses, porém, o problema se agravou além do suportável.
    Quando cai a noite, na mesma periferia da capital que acaba de eleger Fernando Haddad essas mortes chegam – ou ultrapassam – uma dezena por dia.
    Escolas, estabelecimentos comerciais e as populações desses bairros têm que obedecer a toque de recolher da facção criminosa PCC.
    Policiais aterrorizados, ameaçados por execuções sumárias, contribuem para engrossar as estatísticas macabras atirando primeiro e perguntando depois.
    A imprensa paulista se limita a relatar a situação e, pasme-se, a alardear “êxitos” do governo do Estado no combate aos criminosos. E não faz uma mísera crítica às autoridades locais.
    Apesar de a Segurança Pública ser responsabilidade direta do governo do Estado, a questão é apresentada como de responsabilidade principal do governo federal.
    No último domingo, no programa Domingo Espetacular, da Record, a cobertura discreta e sóbria sobre uma situação de virtual guerra civil foi apresentada de forma mais realista.
    Todavia, o mais próximo que chegou de criticar o governo do Estado foi relatar um “acordo” entre esse governo e o PCC lá em 2006, quando o problema começou a se agravar.
    Os colunistas dos jornais locais, sobretudo dos grandes – Folha de São Paulo e Estadão – ou das revistas semanais, todas sediadas na capital paulista, não fizeram, até aqui, uma só crítica ao governador Geraldo Alckmin.
    Talvez a falta de críticas a autoridades se explique porque o problema (ainda) não chegou aos bairros do centro expandido da capital.
    Nesse momento, vem à mente a cobertura do “caos aéreo”, anos atrás. Durante meses, todo santo dia o governo federal era trucidado em horário nobre e nas manchetes dos jornais. Os colunistas tinham ataques histéricos dia sim, outro também.
    As centenas de mortes por execução sumária praticadas pela polícia ou por bandidos parecem ter muito menos importância do que voos atrasados e madames histéricas.
    Detalhe: o governo do Estado comanda as polícias civil e militar e o sistema carcerário. O governo federal só pode agir diretamente com permissão de Geraldo Alckmin, que não autoriza para não passar recibo do seu fracasso na Segurança.
    Agora, pressionado pelo desastre, Alckmin aceitou apenas colaboração em termos de “inteligência”, mas continua resistindo a tropas federais.
    Aí a explicação para a vitória do PT na maior cidade do país, reduto do partido do governador. Vitória que ocorreu justamente por ação dessa periferia abandonada em plena guerra civil.
    Para poupar o governo do Estado, nenhum nível de governo está sendo criticado pela mídia. Quando essa tragédia chegar aos bairros “nobres”, a culpa será jogada no governo federal.
    A situação em São Paulo só chegou a esse ponto porque, desde que o problema se agravou lá em 2006, a imprensa paulista blindou os responsáveis, que deitaram sobre a moleza.
    Assista, abaixo, à matéria da Record sobre a guerra civil paulista.

    São Paulo sem controle...Diga-me com quem andas!

    sábado, 3 de novembro de 2012

    Mensalão Tucano, assassinato, corrupcão, peculato e lavagem de dinheiro tudo documentado...



    por
    Valerioduto tucano, é o escândalo de corrupção que ocorreu na campanha para a eleição de Eduardo Azeredo (PSDB-MG) - um dos fundadores, e presidente do PSDB nacional - ao governo de Minas Gerais em 1998, e que resultou na sua denúncia pelo Procurador Geral da República ao STF, como "um dos principais mentores e principal beneficiário do esquema implantado", baseada no Inquérito n.o 2280 que a instrui, denunciando Azeredo por "peculato e lavagem de dinheiro"
    Foi esquema de financiamento irregular—com recursos públicos e doações privadas ilegais— montado pelo empresário Marcos Valério.
    Em denúncia apresentada dia 20 de novembro de 2007 ao Supremo Tribunal Federal, o Procurador Geral da República denunciou que o esquema criminoso, que veio a ser chamado pela imprensa de "mensalão tucano", foi "a origem e o laboratório" do episódio que ficou conhecido como Mensalão.
    "A inicial penal em exame limitar-se-á a descrever os delitos que tiveram o comprovado envolvimento do Senador da República Eduardo Azeredo e do Ministro de Estado Walfrido dos Mares Guia, bem como os crimes intimamente a eles vinculados."
    Antonio Fernando denunciou 15 políticos por peculato e lavagem de dinheiro e afirmou que o esquema montado pelo publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza para injetar dinheiro público na campanha do tucano Eduardo Azeredo (PSDB-MG) foi "o laboratório" do mensalão nacional - cuja denúncia foi aceita pelo STF, em quase sua totalidade, em agosto de 2007. As investigações atingem o secretário do governador mineiro tucano Aécio Neves, pré-candidato do PSDB à presidência da república em 2010.
    Há uma série de telefonemas entre Eduardo Azeredo, Marcos Valério, Cristiano Paz e a empresa SMP&B, demonstrando intenso relacionamento do primeiro (Eduardo Azeredo) com os integrantes do núcleo que operou o esquema criminoso de repasse de recursos para a sua campanha.p.26
    Em 3 de novembro de 2009, Azerevo começou ser julgado no Supremo Tribunal Federal. Em 3 de dezembro de 2009, por cinco votos contra três, o plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu abrir ação penal contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e torná-lo réu por envolvimento em um suposto esquema de caixa dois durante sua campanha para reeleição ao governo de Minas Gerais, em 1998.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Mensal%C3%A3o_mineiro

    Revista revela beneficiários do 'Valerioduto Tucano'
    Novos documentos entregues à Polícia Federal de Minas Gerais sobre o caso do valerioduto tucano revelam pagamentos de propina a caciques do tucanato e ao ministro do Supremo, Gilmar Mendes e Editora Abril. A revelação está em reportagem da revista Carta Capital. O valerioduto tucano operou durante a campanha de reeleição do então governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998.
    A reportagem de Leandro Fortes mostra que receberam volumosas quantias do esquema, supostamente ilegal, personalidades do mundo político e do judiciário, além de empresas de comunicação. Na lista constam o ministro Gilmar Mendes, do STF, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), os ex-senadores Artur Virgílio (PSDB-AM), Jorge Bornhausen (DEM-SC), Heráclito Fortes (DEM-PI) e Antero Paes de Barros (PSDB-MT), os senadores Delcídio Amaral (PT-MS) e José Agripino Maia (DEM-RN), o governador Marconi Perillo (PSDB-GO) e os ex-governadores Joaquim Roriz (PMDB) e José Roberto Arruda (ex-DEM), ambos do Distrito Federal, entre outros.
    Também aparecem pessoas que atuaram no processo de privatização dos anos FHC, como Elena Landau, Luiz Carlos Mendonça de Barros e José Pimenta da Veiga.
    Os documentos reúnem declarações, planilhas de pagamento e recibos comprobatórios e foram entregues na quinta (26) à Superintendência da Polícia Federal em Minas Gerais. Todos têm assinatura reconhecida em cartório do empresário Marcos Valério de Souza, que depois seria acusado (pelo próprios tucanos, inclusive) como operador de esquema parecido envolvendo o PT, o suposto "mensalão", que começa a ser julgado pelo STF no próximo dia 2 de agosto.
    A papelada chegou à PF pelo criminalista Dino Miraglia Filho, advogado da família da modelo Cristiana Aparecida Ferreira, que seria ligada ao esquema e foi assassinada em um flat de Belo Horizonte em agosto de 2000.
    Segundo a reportagem revista, Gilmar Mendes teria recebido R$ 185 mil do esquema. Fernando Henrique Cardoso, em parceria com o filho Paulo Henrique Cardoso, R$ 573 mil. A editora Abril, quase R$ 50 mil.
    http://carosamigos.terra.com.br/index/index.php/politica/2322-revista-revela-...

    quinta-feira, 1 de novembro de 2012

    Danilo Gentili, mais um ato de racismo desse suposto humorista "IDIOTA midiatíco".


    Danilo Gentilli manda tirar vídeo que denunciava racismo de apresentador do Youtube
    novembro 1st, 2012 by mariafro


    Vídeo denunciava racismo de apresentador, que perguntou “quantas bananas você quer pra deixar essa história pra lá” a ativista do movimento negro


    Vídeo foi retirado a mando de Gentili, segundo Youtube

    Um vídeo que denunciava as piadas racistas do “comediante” Danilo Gentilli, postado no Youtube peloPortal do PSTU, foi retirado do ar nesta quinta-feira.

    Segundo a notificação do Youtube, o vídeo foi retirado devido a reivindicações de direitos autorais de Gentilli. “Recebemos reivindicações de direitos autorais sobre o material que você enviou, como segue: o de Danilo Gentili sobre o vídeo “Quantas bananas vc quer pra deixar essa história pra lá?”, afirma o comunicado do Youtube.

    Quantas bananas você quer?
    O vídeo publicado pelo Portal do PSTU trazia uma entrevista com Thiago Ribeiro, jovem negro de 29 anos que, recentemente, denunciou Gentilli por suas piadas de explícito conteúdo racista. Cansado das piadas sem graça do “comediante”, Thiago Ribeiro postou no Youtube um vídeo com uma coletânea de piadas racistas de Gentili. O vídeo obteve 800 visualizações, inclusive uma visualização do próprio Gentili, que conseguiu tirar o vídeo do Youtube por meio da cláusula de uso de imagem.

    Através do seu perfil no Twitter, Thiago interpelou Gentili sobre a proibição do vídeo. A resposta de Gentilli foi pra lá de desprezível: “vamos esquecer isso… Quantas bananas você quer pra deixar essa história pra lá?”, escreveu o comediante em seu Twitter. Na sequência, muitos seguidores de Gentilli desataram ataques racistas contra Thiago. Todos eles, inclusive Gentilli, foram denunciados por crime de racismo ao Ministério Público de São Paulo e à Polícia Federal sobre o ocorrido. Também foi realizado um Boletim de Ocorrência na Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania e na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância.

    Gentilli se utilizou do mesmo expediente para retirar, do youtube, a entrevista de Thiago ao Portal do PSTU. Em três dias de exibição, a entrevista já tinha sido visualizada por mais 4.100 usuários.

    Como se não bastasse, para defender suas piadas racistas, Gentilli se apóia no direito à “liberdade de expressão”. O que só pode ser uma piada de mau gosto do “comediante” que não tem o menor escrúpulo em censurar qualquer crítica a algo que mais do que uma simples piada: é crime, tipificado em lei.

    Se você ainda não viu o vídeo, assista aqui sua nova versão. Agora, com a censura imposta por Gentilli.
    

    quarta-feira, 31 de outubro de 2012

    Zonas Norte, Sul, Leste e Oeste em estado de alerta...Até quando...



    Publicado em 31/10/2012

    Noventa e oito policiais militares assassinados em São Paulo neste ano. Só 5 deles mortos trabalhando. Quando a morte é fora do trabalho, a família não recebe benefícios. Neste ano, em todo o estado, já foram assassinados mais de 3.330 cidadãos. Só na capital, até setembro, 919 homicídios.
    .
    Antonio Ferreira Pinto é o Secretário de Segurança. Numa dessas coletivas para a imprensa, há pouco tempo, ele disse que os assassinatos de PMs não tinham "nenhuma vinculação com a facção". A "facção", como diz o secretário sem citar o nome, é o PCC.

    Não há quem não saiba que está em andamento uma guerra particular entre o PCC e a PM. Uma PM, pelo que se sabe, com divisões; digamos assim. Segundo oficiais com quem falei, teriam sido rompidos, de parte a parte, "códigos de conduta".

    Há quem negue a existência de tais códigos, mas eles existem: a polícia tem seus códigos não escritos e os criminosos também têm. E ambos têm um código em comum. Pela quantidade de mortos, é evidente que algum tipo de código, ou de acordo -ou de acordos- foi rompido.

    Criminosos matam de um lado? Vem a resposta: alguns, quase sempre em motos, com munição de uso exclusivo de forças policiais, dão o troco e também matam. Fica no ar uma pergunta que talvez contenha a resposta: por que, nesta guerra nas ruas, apenas policiais militares, e não policiais civis, estão sendo mortos? É certo que a Inteligência do Estado tem informações sobre isso.

    O secretário de segurança nega, ou negava até outro dia, o que é óbvio. E, diante de câmeras e microfones atua como se fosse o Durango Kid. Enquanto o secretario atua, e nega o óbvio, vejam a ousadia dos ataques: um tenente trabalha na Casa Militar e na escolta do governador Geraldo Alckimin. As iniciais do seu nome são SCS. O tenente foi atacado; não no trabalho. Recebeu um tiro de raspão, no rosto, reagiu e matou o agressor.

    O Major Olímpio, deputado estadual pelo PDT, em ato na Praça da Sé disse com todas as letras: "Policiais militares estão sendo dizimados e não adianta negar e dizer que é lenda. O PCC está matando policiais".

    O troco vem sendo dado nas ruas. Isso nunca funcionou. Nem no Velho Oeste, nem com as milícias no Rio de Janeiro, nem aqui, com os antigos e os novos esquadrões da morte. Isso só serve para produzir mais mortes, muitas vezes de inocentes. Serve também para eleger oportunistas, com discursos e práticas fascistóides.

    Fato é que, antes de tomar posse, o governador Geraldo Alckimin pensou em substituir o Secretário Ferreira Pinto. Um importante emissário do governo sondou o jurista Walter Maierovitch. Walter, antes até de começar a conversar, impôs algumas condições. Uma delas, nomear os comandos das polícias militar e civil. A conversa nem andou. E Ferreira Pinto ai está.

    O bang-bang, os assassinatos, avançam nas ruas de São Paulo. Até quando?

    sexta-feira, 26 de outubro de 2012

    Ataques do PSDB contra PT chegam também via fone.

    :
    Campanha de José Serra (PSDB) promeveu ligações para desqualificar e mentir sobre as propostas do adversário Fernando Haddad (PT); ligações foram dirigidas especialmente para os bairros da periferia, como Penha, Itaquera e Cidade A.E. Carvalho, na Zona Leste da capital paulista

    26 de Outubro de 2012 às 22:03

    Mais uma armação dos Tucanos...É desespero...é desespero...é desespero...

    Empresa contratada por Serra criou site falso de Haddad

    26 de outubro de 2012 18h44 atualizado às 19h20

    É não colou.
     
     
    A campanha do candidato petista à prefeitura de São Paulo afirmou nesta sexta-feira que o responsável pela criação de um falso blog com propostas de Fernando Haddad foi contratado para "serviços de criação e inclusão de páginas na internet" para a campanha do tucano José Serra. Em nota, a coligação Para Mudar e Renovar São Paulo afirmou ter recebido o IP utilizado para criar o site "Propostas Haddad 13" da operadora GVT.
    Consulte os candidatos a prefeito em todo o País
    Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais
    Segundo o comunicado, o IP pertence a Huyana Batista Tejo, responsável pela empresa Soluções Originais em Desenvolvimento e Arte Ltda (Soda Virtual), que já recebeu R$ 531 mil do comitê financeiro para prefeito do PSDB em São Paulo. "A mesma empresa registrou o site SerraJá, punido por propaganda antecipada, e o jogo de Facebook 'Missão Impossível', já fora do ar e também sob apuração da Justiça Eleitoral", diz o comunicado.
    A Justiça Eleitoral de São Paulo mandou que o Google retirasse o blog do ar em 18 de outubro. De acordo com a decisão liminar do juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Henrique Harris Júnior, que acolheu ação da campanha de Haddad, há no site referências negativas ao candidato, por meio de propostas de governo que são atribuídas a ele.
    O Terra entrou em contato com a empresa, mas não obteve retorno. Por meio de sua assessoria, a campanha de José Serra afirmou não ter relação com o site falso.

    quarta-feira, 24 de outubro de 2012

    Globo é acusada de crime eleitoral por edição do JN.

     

    
    :

    Movimento dos Sem-Mídia, presidido por Eduardo Guimarães, protocola ação contra a Rede Globo em razão dos 18 minutos dedicados ao especial sobre o mensalão, após o horário eleitoral gratuito; emissora comandada por Ali Kamel (dir.), que nunca se recuperou da edição do debate entre Lula e Collor em 1989, é acusada de partidarismo.

    247 – A edição de ontem do Jornal Nacional, que dedicou 18 minutos a um especial sobre o mensalão, logo após o horário eleitoral gratuito, pode ter infringido a Lei Geral das Eleições. Comandada por Eduardo Guimarães, a ONG Movimento dos Sem-Mídia, decidiu entrar com representação contra a Globo junto à Procuradoria Geral Eleitoral e ao Ministério das Comunicações, acusando a emissora da família Marinho, comandada pelo jornalista Ali Kamel, de agir de forma partidária, assim como ocorreu em 1989, na edição do debate entre Lula e Fernando Collor. Leia abaixo:

    ONG representará contra Jornal Nacional na PGE e no Minicom
    Até a insuspeita Folha de São Paulo notou a cobertura desproporcional, ilegal e até criminosa que o Jornal Nacional fez da sessão de terça-feira (23.10) do julgamento do mensalão. Segundo a matéria em tela, o telejornal gastou 18 dos 32 minutos de sua edição de ontem com esse assunto. Abaixo, o texto da Folha.
    —–
    FOLHA DE SÃO PAULO
    24 de outubro de 2012
    ‘JN’ dedica quase 20 minutos a balanço do julgamento
    DE SÃO PAULO
    O “Jornal Nacional” da TV Globo, programa jornalístico mais assistido da televisão brasileira, dedicou ontem 18 dos 32 minutos de sua edição a um balanço do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal.
    O telejornal exibiu oito reportagens sobre o tema, contemplando desde o que chamou de “frases memoráveis” proferidas no plenário do STF às rusgas entre os ministros Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandovsky, respectivamente relator e revisor do processo na corte.
    O segmento mais “quente” do telejornal, dedicado às notícias do dia (debate do tamanho das penas e a decisão de absolver réus de acusações em que houve empate no colegiado) consumiu 3min12s.
    O restante foi ocupado pelo resumo das 40 sessões de julgamento.
    —–
    Há, ainda, um agravante. O assunto foi ao ar no JN imediatamente após o fim do horário eleitoral, que, em São Paulo, foi encerrado com o programa de Fernando Haddad. E tem sido assim desde que começou o segundo turno – o noticiário do mensalão é apresentado pelo telejornal sempre “colado” ao fim do horário eleitoral.
    O objetivo de interferir no pleito do próximo domingo em prejuízo do Partido dos Trabalhadores e dos outros partidos aliados que figuram na Ação Penal 470, vem sendo escancarado. Ontem, porém, essa prática ilegal chegou ao ápice.
    A ilegalidade é absolutamente clara. Para comprovar, basta a simples leitura da Lei 9.504/97, a chamada Lei Geral das Eleições, que, em seu artigo 45, caput, reza que:
    Caput – A partir de 1o de julho, ano da eleição, é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário, conforme incisos:
    III – Veicular propaganda política, ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus orgãos ou representantes;
    IV – Dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação;
    V – É vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário, veicular ou divulgar filmes, novelas, minisséries ou qualquer outro programa com alusão ou crítica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente (…)
    Apesar de a Globo poder alegar que estava apenas reproduzindo um fato do Poder Judiciário, a intenção de usar as reiteradas menções dos ministros do Supremo Tribunal Federal ao Partido dos Trabalhadores é escancarada ao ponto de ter virado notícia de um jornal absolutamente insuspeito de ser partidário desse partido.
    Conforme reza a lei, é vedada prática da qual o JN abusou, ou seja, fazer “Alusão ou crítica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente”. Ora, de dissimulado não houve nada. O PT foi citado reiteradamente pela edição do JN de forma insistente e por espaço de tempo jamais visto em uma só reportagem.
    A Lei Eleitoral recebe interpretação pela Justiça Eleitoral, ou seja, ela julga exatamente as nuances das propagandas, dos programas em veículos eletrônicos e até mesmo na imprensa escrita e na internet.
    O uso de uma concessão pública de televisão com fins político-eleitorais também viola a Lei das Concessões, cujo guardião é o Ministério das Comunicações.
    Diante desses fatos, comunico que a ONG Movimento dos Sem Mídia, da qual este blogueiro é presidente, apresentará, nos próximos dias, representações à Procuradoria Geral Eleitoral e ao Ministério das Comunicações contra a TV Globo por violação da Lei Eleitoral, com tentativa de influir em eleições de todo país.
    Detalhe: será pedido ao Minicom a cassação da concessão da Rede Globo por cometer crime eleitoral
    Por certo não haverá tempo suficiente de fazer a representação ser apreciada por essas instâncias antes do pleito, mas isso não elidirá a denunciação desse claro abuso de poder econômico com vistas influir no processo eleitoral. Peço, portanto, o apoio de tantos quantos entenderem que tal crime não pode ficar impune.

    Datafolha: Haddad aparece 15 pontos à frente de Serra.

    24 de outubro de 2012 19h39 atualizado às 20h10

     
    O candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad lidera com 15 pontos percentuais de vantagem sobre José Serra (PSDB). O petista aparece com 49% das intenções de voto, contra 34% do tucano.
    Consulte os candidatos a prefeito em todo o País
    Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais
    Considerando os votos válidos, Haddad alcança 60%, conta 40% de Serra. A pesquisa atual reforça a tendência apresentada no levantamento anterior quando o petista aparecia com os mesmo 49% enquanto o tucano contava com 32% da preferência do eleitorado local. A pesquisa ainda revelou o percentual de rejeição dos candidatos: 52% dos entrevistados declararam que não votam em Serra, enquanto 36% rejeitam Haddad.
    A pesquisa, contratada pelo jornal Folha de S. Paulo em parceria com a TV Globo, está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo com o código SP-01910/212. Para o levantamento foram entrevistadas 2.084 pessoas nos dias 23 e 24 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

    GLOBO REPÓRTER ...BALA DE PRATA contra HADDAD...


    terça-feira, 23 de outubro de 2012

    A bala de prata contra Haddad: para reverter situação de Serra na eleição deste domingo, Rede Globo atacará com um "Globo Repórter" sobre o "mensalão"


    por Paulo Jonas de Lima Piva

    Todo o espetáculo e todo o palanque político do STJ em torno do "mensalão" que assistimos nesta semana do segundo turno das eleições não foram à toa. A informação é de que a Rede Globo, sócia do projeto político e econômico do PSDB, exibirá um "Globo Repórter" nesta sexta-feira, dois dias antes da eleição, sobre o julgamento do "mensalão". Evidentemente, ela aproveitará criminosamente cada uma das imagens dos argumentos e dos discursos veementes dos ministros, contra o PT e, por conseguinte, contra a candidatura de Haddad. Não faltarão, é claro, informações distorcidas, tendenciosas e, sobretudo, cenas manipuladas, como as dos ministros do Supremo linchando o PT, Dirceu, Genoino e o governo Lula. Será a grande contribuição das organizações Globo à candidatura de José Serra, a bala de prata destas eleições contra a candidatura de Haddad, o qual não terá mais chances de se defender na grande mídia, pois não teremos mais, até lá, o programa eleitoral. Se isso mesmo ocorrer, sentiremos na pele mais uma vez o estrago que uma grande mídia concentrada e oligopolizada é capaz de fazer à democracia.