MPB

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Zé de Abreu aponta trama para Valério falar.



Acordo de R$ 17 milhões teria convencido o empresário a envolver o ex-presidente Lula no 'mensalão', de acordo com o ator; dinheiro teria sido reunido por grupo de empresários, políticos, além de Roberto Civita, dono da Veja; condição era que declarações saíssem primeiro na revista semanal, que em setembro deu capa com Marcos Valério; procurada, editora Abril não se pronunciou

14 de Dezembro de 2012 às 15:26

247 – Declarações de um advogado feitas na madrugada desta sexta-feira denunciam suposta trama que envolve um acordo de R$ 17 milhões para convencer o empresário Marcos Valério a denunciar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do 'mensalão'. A conversa, que teria acontecido num restaurante de Brasília, foi noticiada nesta manhã pelo ator e ativista político José de Abreu, via Twitter.
Ao 247, Abreu não deu mais informações sobre quem seria o advogado, mas garantiu que não se trata de Marcelo Leonardo, representante do publicitário mineiro na Ação Penal 470, da qual seu cliente foi condenado com uma pena que passa dos 40 anos. Marcelo Leonardo sequer teria concordado com o acerto. Quanto à fonte que lhe revelou o diálogo, ele se limitou a dizer: "É um político da oposição".
"Estou repassando o que me contaram, foi nessa madrugada. Uma pessoa ouviu do advogado, que começou a falar mais alto num restaurante de Brasília. Era um lugar menos nobre, não era tipo um Piantella", descreveu José de Abreu, em referência ao famoso ponto de encontro de políticos da capital federal. Segundo ele, há ainda prometido ao empresário dois apartamentos nos Estados Unidos, um em Miami e outro em Nova York, "FORA o pagamento de TODAS as multas financeiras a que MV foi condenado".
O acerto teria sido feito sob a condição de que as revelações contra Lula sairiam primeiramente na revista Veja. Em setembro, uma reportagem de capa intitulada "Os segredos de Valério" traz frases atribuídas a interlocutores próximos ao empresário apontando o ex-presidente como chefe do 'mensalão'. Segundo o advogado, o dinheiro para pagar Marcos Valério teria vindo de uma "composição financeira" envolvendo empresários, políticos e o próprio dono da semanal, Roberto Civita, quem, segundo ele, seria o responsável pela organização da 'vaquinha'.
Posteriormente à publicação da reportagem, foi levantado um debate na imprensa e nas redes sociais que questionava a veracidade das denúncias e a existência de um áudio que comprovasse a entrevista. O colunista do jornal O Globo, Ricardo Noblat, liderou a defesa à revista, garantindo que havia, sim, uma "fita" com as revelações de Valério. Procurada pelo 247 para comentar as denúncias, a assessoria de imprensa da Editora Abril não respondeu até a publicação dessa reportagem.
Futuro dos filhos
A intenção de Marcos Valério seria "deixar bem os filhos", postou o responsável pelas revelações. Ao 247, o ator acrescentou que há psiquiatras e psicólogos envolvidos e que o publicitário não passa bem. "Cada imóvel teria sido colocado em nome de cada filho de MV. A saída de casa, a "farsa da separação" segundo o advogado bêbado, fazem parte", escreveu José de Abreu, em referência ao acordo. Valério andava muito deprimido e não queria deixar a família sem garantias quando ele fosse para a prisão, conta Abreu.
Falou, tem que provar
As denúncias, porém, teriam de ser provadas. "Uma parte da grana só seria paga se MV conseguisse que abrissem processo contra Lula", escreveu José de Abreu no microblog. Depois de três meses da reportagem publicada por Veja, o jornal O Estado de S.Paulo revelou, nesta semana, parte de um depoimento do empresário à Procuradoria Geral da República feito em 2003, com mais revelações sobre o ex-presidente.
 
Do Blog brasil247

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

TRT mantém suspensão das demissões no Santander.


Segunda audiência sobre o assunto foi realizada nesta terça 11. Na quarta 12 haverá novo encontro


São Paulo – O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região (capital e região metropolitana de São Paulo) decidiu manter a liminar que suspendeu as demissões sem justa causa feitas pelo Santander em São Paulo, Osasco e região a partir de 6 de dezembro. A decisão foi tomada durante a segunda audiência de conciliação entre o Sindicato e o Santander, ocorrida nesta terça-feira 11.

> Vídeo: matéria especial sobre a audiência

A desembargadora Rilma Aparecida Hemetério considerou que embora o Sindicato tenha tido acesso à petição do Santander, a entidade não teve conhecimento dos documentos que a acompanharam e, por isso, não pôde se manifestar no prazo que foi concedido. “Qualquer decisão que eu tomasse agora seria temerária porque eu estaria ferindo o princípio do contraditório”, disse a desembargadora durante a sessão.

A liminar, requerida pelo Sindicato, foi concedida pela mesma desembargadora em sessão no dia 6. Caso a direção do Santander a desobedeça, terá de pagar multa diária de R$ 100 mil. Na ocasião, a juiza frisou que o banco espanhol deveria respeitar os trabalhadores brasileiros, assim como respeitam os da Espanha, país de origem da empresa.

> TRT-SP suspende demissões do Santander

Nova audiência – Rilma Hemetério concedeu o prazo de 24 horas para que o Sindicato se manifestasse sobre os documentos apresentados pelo Santander. Ela marcou uma nova audiência para quarta-feira, às 15h. Antes disso, porém, haverá uma reunião de conciliação entre os representantes do Sindicato e do banco, às 10h, também no TRT-SP.

Demissões – Desde o início de dezembro, o Santander admitiu ter realizado mil desligamentos em todo o país, mas informações levantadas pelos representantes dos trabalhadores indicam que, de fato, o número de demissões ultrapassa duas mil no Brasil.

Cobrado pelo TRT-SP, o Santander entregou lista na qual constam os nomes de 440 trabalhadores na base do Sindicato em processo de demissão, em dezembro. O banco alega que esse total não caracteriza demissão em massa, mas o Sindicato apresentou dados que mostram o contrário. Segundo levantamento da entidade, a média de homologações do Santander em São Paulo, Osasco e região é de 77,8 ao mês, em 2012, muito abaixo das 440 previstas para dezembro.

Compareça ao Sindicato – Além disso, o Sindicato tem o nome de sete trabalhadores demitidos que não constam na lista apresentada pelo Santander. Por isso, a secretária de Finanças do Sindicato e coordenadora na mesa de negociação com o banco, Rita Berlofa, reforça que os trabalhadores que receberam carta de demissão devem comparecer à sede da entidade (Rua São Bento, 413). “É essencial que esses bancários procurem o Sindicato, pois assim ele nos trazem informações que poderão ser confrontadas com as apresentadas pelo banco”, avisa.

A presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, ressalta que a entidade está disposta a negociar, mas espera a mesma atitude do banco. “Não adianta o Santander querer rever possíveis demissões ilegais, porque estas serão revertidas na Justiça. Queremos discutir as demais demissões de dezembro, como a de trabalhadores que estavam prestes a se aposentar ou daqueles com muitos anos de casa, entre outros casos.”

Veja o video:

http://www.spbancarios.com.br/Videos.aspx?id=467